compressao-roaming
Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

georadar bomdiabrasil 29092016

Funcionários de uma empresa de exploração de gás e petróleo, que tem sede em Minas Gerais, mas presta serviços para a Petrobras em Alagoas, denunciam o abandono de 480 bananas de dinamites prontas para serem detonadas. Elas estão enterradas entre os municípios de Coruripe e Jequiá da Praia (veja no vídeo acima).

O material é da empresa Georadar, e está enterrado a uma profundidade que varia de 3 a 6 metros. Os explosivos foram espalhados em uma área de 170 km² de mata e canavial, que abrangem os dois municípios.

Pelo caminho, é possível ver muitos cabos e placas de sinalização. Os funcionários dizem que ainda existem outras duas mil dinamites armazenadas em um paiol, que também seriam utilizadas na busca de gás e petróleo.

"Existe risco sim. A partir do momento que chegar qualquer carga, até uma pilha de relógio, uma bateria de um relógio, chegar e entrar em contato com os dois fios do material explosivo, ele pode chegar a detonar", explicou Douglas Santos, auxiliar de equipe de campo.

Os trabalhadores contam que o escritório da empresa na cidade alagoana de Teotônio Vilela parou de funcionar há cerca de 30 dias e que eles estão sem receber salário há quatro meses. Por conta disso, fizeram um protesto na terça (27), na BR-101, bloqueando os dois sentidos da pista.

A Georadar informou que está resolvendo as questões trabalhistas com os funcionários. No entanto, não respondeu sobre os explosivos.

O exército, que é responsável pelo controle do uso de dinamite, informou que foi até o paiol da empresa em Coruripe, e que lá os explosivos estavam armazenados de maneira correta.

Em relação às bananas de dinamite que estariam enterradas nas zonas rurais de Coruripe e Jequiá da Praia, disse que ainda não foi até o local, e que não conseguiu falar com a empresa. A Petrobras informou que precisa investigar a situação antes de se pronunciar.

Segundo o funcionário Taciano Alves, que trabalhava na parte administrativa, a empresa havia sido contratada pela Petrobras para executar um projeto de quase R$ 20 milhões na região.

"No momento, eles estavam prestando serviço para a Petrobras, e também já prestou serviço para a OGX. Ela estava sim recebendo [dinheiro] da Petrobras. Tudo indica que ela já tenha recebido esse valor integral. Ela não teria justificativa para demitir os funcionários porque a maior parte dos valores a empresa realmente recebeu e tinha também que repassar para os funcionários", disse.

A equipe de reportagem da TV Gazeta foi até o local e verificou que tudo foi abandonado, inclusive os carros locados. A placa com o nome da empresa foi retirada e apenas um vigilante toma conta do local.

A filial da Georadar foi instalada há cerca de cinco meses naquele município. A empresa teria assinado a carteira de 300 funcionários, que vieram tamém do Maranhão, Bahia, Rio Grande do Norte e Sergipe.

Veja aqui a reportagem original do Bom Dia Brasil, da TV Globo.

Do G1 AL, com informações da TV Gazeta - 28/09/2016

Comente este artigo



Atualizar

CGG Rodapé
CPGEO