compressao-roaming
Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

A Petrobras concluiu a perfuração do poço 3-BRSA-1342A-RJS, sétimo de extensão de Libra, no pré-sal da Bacia de Santos, na última segunda-feira (5/9). A perfuração foi iniciada em 20 de abril, pela sonda West Carina, da Seadrill, em lâmina d’água de 1.996 m. Até o momento, foi comunicado à ANP um novo indício de petróleo no poço.

Como ocorreu em outros casos, o poço 1342A é uma repetição do poço original (1342) – metade dos oito poços de Luibra precisaram er repetidos. A campanha, contudo, tem dados bons resultados, com seis extensões do reservatório confirmadas e apenas um poço considerado seco e, mesmo assim, com indícios (encontrou petróleo ou gás, mas em formações de pouca ou nenhuma viabilidade.

No momento, há ainda uma perfuração em andamento, o poço 3-BRSA-1343-RJS, iniciada no final de junho, pela sonda West Tellus, também da Seadrill, em lâmina d’água de 2.025 m. Este poço ainda não teve registros de indícios de óleo ou gás.

Com a conclusão das perfurações em andamento, o consórcio de Libra conclui suas obrigações de poços previstas no plano de avaliação (PAD), aprovado pela ANP. Serão, ao todo, nove poços, sendo um descobridor e quatro na primeira fase de exploração e mais quatro durante o PAD. Há possibilidade de o consórcio decidir por investimentos adicionais, caso sejam necessários para concluir a delimitação de Libra.

O consórcio de Libra é formado pela Petrobras (operadora com 40%), Shell (20%), Total (20%), CNPC (10%) e CNOOC (10%), tendo como gestora do contrato de partilha da produção a Pré-Sal Petróleo S.A. (PPSA).

Brasil Energia Óleo e Gás - 09/09/2016

Comente este artigo



Atualizar

CGG Rodapé
CPGEO