logo

Navegue por tags

academia anp concurso divulgação exploração geociências geofísica geologia IAG-USP INPE meio ambiente mercado mineraçao pesquisa Petrobras petróleo pré-sal press-release produção SBGF SEG sísmica sísmica terrestre tecnologia treinamento

+ All tags

Enquete

Qual data você escolheria​ para ser proclamada​ como o Dia Nacional do Geofísico?
 

A segunda será a certificação dos volumes mapeados nos prospectos e a entrada no processo de "farm out" ou "farm down". Esta fase deverá tomar cerca de três meses em 2012. "Farm out" e "farm down" são termos da indústria do petróleo que descrevem as operações comerciais por meio das quais uma empresa vende parte de um bloco para outra e reduz a sua participação.

Franke conta que a terceira etapa será a de perfuração exploratória, que tomará cerca de seis meses, no segundo semestre de 2012. "Após essas três etapas, se houver sucesso, passaremos ao projeto de avaliação e desenvolvimento das descobertas em 2013. Serão necessários vários anos para passarmos da exploração para a produção". Apesar da demora, a companhia está animada: estimativas iniciais indicam que um dos poços, Walvis, pode chegar a produzir 300 mil barris por dia de petróleo leve.

Já a Petrobras informou que não daria entrevista sobre sua entrada no Gabão e Benin. Segundo o site da empresa na internet, ela chegou ao Benin, na Costa Oeste da África, em fevereiro deste ano, com a compra de 50% de participação no bloco 4. O negócio foi fechado com a Compagnie Béninoise des Hydrocarbures (CBH), subsidiária da Lusitania Petroleum, que detém os 50% restantes.

O bloco cobre uma área de aproximadamente 7,4 mil quilômetros quadrados, com profundidade de água que varia de 200 metros a 3 mil metros, a uma distância média de 60 quilômetros da costa. "Esperamos encontrar petróleo leve, reproduzindo outras descobertas realizadas em atividades exploratórias anteriores", informa o site. "A CBH permanece como operadora. Entretanto, nós temos o direito de assumir a operação. O compromisso de trabalho inclui a aquisição e processamento de 2.250 quilômetros quadrados de sísmica 3D. Confirmado o potencial exploratório da área, o consórcio se comprometerá a perfurar três poços."

Em junho desde ano, a estatal entrou na República do Gabão, também na Costa Oeste africana. A operação foi acertada com a compra de 50% dos direitos da Ophir Energy nos blocos Ntsina Marin e Mbeli Marin, localizados na Bacia Costeira, região norte do "offshore" gabonense. "A Petrobras assume a obrigação de executar um programa mínimo de trabalho, que compreende a aquisição de 2 mil quilômetros quadrados de sísmica 3D", informa a empresa.

Passada essa etapa, a Petrobras tem o direito de avaliar a sua permanência nos blocos e optar pelo ingresso na próxima fase do programa exploratório, que inclui perfuração de poços. "A aquisição dos blocos está alinhada ao Plano Estratégico da Petrobras até 2020, que inclui o objetivo de contribuir para o descobrimento e a apropriação de reservas no exterior." Apesar de ter ativos em sete países africanos, a estatal brasileira tem produção de óleo e gás natural, por enquanto, em apenas dois: Angola e Nigéria, onde a produção conjunta é de 59,9 barris por dia.

Luiz Afonso Lima, presidente da Sobeet (Sociedade Brasileira de Estudos de Empresas Transnacionais e da Globalização Econômica), afirma que o movimento das companhias brasileiras rumo à África "faz todo o sentido". "Petrobras e Vale, por exemplo, vão para lá em busca de recursos próprios e não do mercado local", diz ele. "Faz todo o sentido para empresas que exploram recursos naturais irem em busca de recursos onde quer que estejam."

De acordo com Lima, o movimento das empresas brasileiras tem de ser avaliado em um contexto mais amplo, de mudança nos fluxos de capitais. "Hoje, 24% dos fluxos globais de investimentos vêm de países emergentes, contra traço em 1980. Essa tendência é gradual, não vem de hoje e irá perdurar", afirma.

Valor Econômico - 21/11/2011
 
Banner
Banner
banner Strataimage
Banner
banner Strataimage
Banner
Banner
Banner