logo

Navegue por tags

academia anp concurso divulgação empregos exploração geociências geofísica geologia IAG-USP INPE meio ambiente mercado mineraçao pesquisa Petrobras petróleo pré-sal produção SBGF SEG sísmica sísmica terrestre tecnologia treinamento

+ All tags

Enquete

Qual data você escolheria​ para ser proclamada​ como o Dia Nacional do Geofísico?
 
Banner
Notícias

Geoquasar STTG

"Caçadores" de petróleo prosperam no Brasil

Fundada por geólogos brasileiros, Stratageo e GeoQuasar unem operações e esperam faturar R$ 1 bi em 2015.

Com a descoberta de reservas gigantescas de petróleo e gás no Brasil, "caçar" depósitos de hidrocarbonetos virou um negócio milionário no País. Mas a tarefa não é nada fácil, além de ser altamente sigilosa, por envolver informações estratégicas e que podem valer fortunas.

Uma equipe de pesquisa sísmica, que faz os primeiros trabalhos para verificar se existe petróleo ou gás em uma determinada região, requer de 300 a até 700 trabalhadores, a maior parte deles para executar trabalhos pesados, como abrir picadas na selva e carregar equipamentos.

Os acampamentos ficam muitas vezes em áreas isoladas, cujo acesso só é possível de helicóptero.

"Caçar" petróleo é o que fazem os geólogos brasileiros Darci José de Matos e Marcos Frederico de Almeida. Amigos há trinta anos, os dois trabalharam em multinacionais com pesquisas sísmicas e voltaram ao Brasil há cerca de três anos, para abrir suas próprias empresas.

A Stratageo, de Matos, e a GeoQuasar, de Almeida, decidiram agora unir suas operações para ganhar musculatura e conseguir atender à crescente demanda no Brasil. Seus clientes incluem a Agência Nacional de Petróleo (ANP) e a Petrobras, a OGX, de Eike Batista, e a novata HRT.

Batizada de GeoQuasar STTG, a empresa nasce com um faturamento anual de R$ 250 milhões e a expectativas do executivos é alcançar a marca de R$ 1 bilhão em receitas em 2015.

"Já trabalhei em quase todas as bacias sedimentares no País. Meus amigos costumam dizer que eu sou testemunha dos eventos geológicos", brinca Matos, que se diverte com a piada - de geólogo, claro.

Pesquisas no Mato Grosso e Amazônia

Tanto a GeoQuasar quanto a Stratageo realizam levantamentos sísmicos em duas e três dimensões e, atualmente, possuem, juntas, quatro equipes de pesquisas em campo.

Uma delas está conduzindo um levantamento encomendado pela ANP na Bacia dos Parecis, no Mato Grosso, considerada a nova fronteira do petróleo no Brasil.

Duas equipes estão na Bacia dos Solimões, no Amazonas, conduzindo pesquisas para a HRT.

Uma equipe também está neste momento fazendo um trabalho de detalhamento no Recôncavo Baiano.

Interesse de investidores.

O próximo passo da será preparar a GeoQuasar STTG para a entrada de novos investidores, o que possibilitará a expansão dos negócios.

"Recebemos muitas consultas de grupos interessados, tanto do Brasil e como do exterior, como da China e da Rússia. Mas nosso objetivo é manter o controle acionário da empresa", diz Matos. No futuro, daqui a cinco anos, o plano é abrir o capital da companhia.

Atualmente, as empresas só realizam pesquisas no continente. "Pretendemos começar a realizar também trabalhos off-shore (no mar)", afirma Matos.

Claudia Faccchini, iG São Paulo - 04/08/2011
 
Banner
Banner
banner Strataimage
banner Strataimage
Banner
Banner
Banner