Paradigm
Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

cassilandia jornal dep ricardo tripoliA Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Câmara dos Deputados aprovou nesta semana relatório do deputado Ricardo Tripoli (SP) ao Projeto de Lei 6904/2013. A proposta estabelece moratória de cinco anos para exploração de gás xisto no Brasil.

Conforme o texto, durante esse tempo, o Poder Público deverá fixar regras para a exploração do gás, de modo a evitar danos ao meio ambiente e prover a segurança das pessoas que atuam na indústria. Além disso, o governo deverá revisar critérios vigentes para a concessão de autorizações de exploração e promover estudos para atualizar a tecnologia de exploração do gás, tornando-a ambientalmente sustentável e segura para os trabalhadores.

Deputados ambientalistas ajudaram a aprovar o parecer de Tripoli favorável à proposta. A exploração de gás de folhelho (xisto) está associada a graves prejuízos ao meio ambiente e é motivo de severas críticas por parte de órgãos ambientais, cientistas, ambientalistas e Organizações Não Governamentais.

O gás de xisto, também chamado de gás não convencional, é um gás natural encontrado em uma rocha sedimentar porosa de mesmo nome. O gás é basicamente o mesmo que o derivado do petróleo, mas a forma de produção e o seu envólucro são diferentes.

A técnica de extração de gás não convencional – como é o gás de xisto – é o fraturamento hidráulico com perfuração horizontal, chamado de fracking. Trata-se de um processo onde se insere água com componentes químicos no subsolo para literalmente quebrar rochas sedimentares, que liberam gás e óleo.

De caráter conclusivo, a proposta ainda será analisada pelas comissões de Minas e Energia e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Cassilândia Jornal - 17/07/2015

Comentários   

#4 fernando Lucena 30-07-2015 09:37
Citando José Gustavo Abreu:
Não deveria ser aprovado de jeito nenhum. Sem moratória, simplesmente rejeitado a exploração deste gás.
Motivo? É só acompanhar o que está acontecendo nos Estados Unidos. Deterioração total de toda a qualidade ambiental nas áreas onde há exploração.

Realmente precisa-se acompanhar o que está acontecendo nos Estados Unidos. Graças ao gás de folhelho ou Xisto o pais saiu da dependencia de energia. Estão falando um monte de bobagens sobre Fraturamento Hidráulico como se ele fosseum método de extração quando na verdade é uma operação para melhorar a produtividade e seus resíduos podem serdestinados sem problemas. Deviam se preocupar com o rio Tietê, a Baia de guanabara que realmente fazem mal á população. A exploração e produção de óleo e gás só trariam empregos e desenvolvimento para as áreas on eles existem
Citar
#3 claudio pires 24-07-2015 17:44
Mais apropriado seria GAS DE MARCELLUS.Se a proibição é por causar danos ao trabalhador não se justifica. Se é por danos ao meio ambiente teríamos que proibir a exploração de petróleo. A decisão deste deputado deve estar atrelado a equívocos românticos.
Citar
#2 José Gustavo Abreu 24-07-2015 15:03
Não deveria ser aprovado de jeito nenhum. Sem moratória, simplesmente rejeitado a exploração deste gás.
Motivo? É só acompanhar o que está acontecendo nos Estados Unidos. Deterioração total de toda a qualidade ambiental nas áreas onde há exploração.
Citar
#1 Diego Monteiro 24-07-2015 14:14
Boa tarde,

Uma critica construtiva...

Acho que os textos (replicados) deveriam passar por uma revisão técnica antes de serem publicados no clipping... Alguns termos utilizados, como por exemplo gás de xisto passam uma impressão de total falta de conhecimento sobre o tema. Sei que a geofisica brasil apenas repassa tais noticias, mas quando o faz é sinal que está compactuando com tais informações. Este é só um exemplo dentre muitos que já percebi. Particularmente, sempre acompanho as noticias dos clippings, mas alguns reposts com termos erroneos (como gás de xisto... xisto na verdade não se trata de uma rocha, mas sim de uma fácies que indica um grau metamórfico específico) passam uma impressão de completo amadorismo e falta de conhecimento GEOLOGICO básico sobre determinados assuntos que são expostos. Trabalho como consultor em geociências e aproveito para me colocar a disposição para atuar como revisor dos mesmos.

Abraço,

Diego Monteiro
Citar

Comente este artigo



Atualizar

CPGEO