logo
  • Ies Brazil

 

Enquete

Gás de Folhelho

Vamos ter uma revolução do gás de folhelho no Brasil?

» Go to poll »
1 Votes left

jVS by www.joomess.de.

Mídias Sociais

FacebookTwitterLinkedin

Petrobras concentrará investimentos em áreas fora do pré-sal até 2017

A Petrobras vai concentrar 70% dos investimentos em exploração nos campos fora do pré-sal, informou hoje o gerente geral de estratégia de gestão da área de Exploração e Produção da Petrobras, Paulo Henrique Costacurta.

Em evento para investidores, o executivo explicou que nos próximos anos (2013-2017) a empresa vai se focar nas delimitações das descobertas já feitas no pré-sal. Essas descobertas já acrescentaram 15,4 bilhões de barris de petróleo e gás às reservas recuperáveis da Petrobras, uma fase antes das reservas serem comprovadas.

Esse volume é decorrente das descobertas dos campos de Lula, Sapinhoá e Franco, no pré-sal da bacia de Santos.

"Vamos consolidar a delimitação do pré-sal, que vai ficar com 24% dos investimentos de exploração. O maior investimento no pré-sal vai ser em produção", informou durante seminário da Apimec/RJ, entidade que reúne agentes do mercado de capitais e investidores.

A Petrobras teve sua produção estagnada nos últimos dois anos, ou "flat", como classificou o executivo, e vem lutando para aumentar sua performance e assim obter mais receita para executar seus quase mil projetos.

Os campos fora do pré-sal que concentrarão mais investimentos em exploração, segundo Costacurta, estão nas bacias Sergipe-Alagoas, Espirito Santo, e os localizados na margem equatorial e margem leste do país.

Foco na Produção

Segundo Costacurta, 43% dos recursos destinados à produção irão para os projetos do pré-sal, ou US$ 46,4 bilhões, enquanto os campos acima da camada de sal, ou pós-sal, ficarão com 32% do total, ou US$ 34,3 bilhões. De janeiro de 2012 a junho de 2013 a Petrobras realizou 55 descobertas, sendo 27 em mar, e dessas, 16 no pré-sal.

Os investimentos totais da área de exploração e produção somam US$ 147,5 bilhões, segundo o plano de negócios da companhia entre 2013 e 2017. A exploração receberá no período US$ 24,3 bilhões, contra US$ 106,9 bilhões em produção.

Folha Press - 25/09/2013


Últimas notícias

As mais lidas