logo

Enquete

Dia Nacional do Geofísico

Qual data você escolheria​ para ser proclamada​ como o Dia Nacional do Geofísico?

15 de Outubro (Fundação do Observatório Nacional em 1827)
3 de Abril (Proclamação do Ano Internacional da Geofísica pela ONU em 1957)
23 de Junho (Declaração da Antártida como território de livre pesquisa em 1961)
26 de Maio (Fundação do primeiro Departamento de Geofísica no Brasil em 1972)
20 de Novembro (Abertura do 1º Congresso da Sociedade Brasileira de Geofísica em 1989)
» Go to poll »
1 Votes left

Feed RSS

Twitter

Forças Armadas fazem operação conjunta para proteger Amazônia Azul

Dez mil homens da Marinha, do Exército e da Aeronáutica estarão em alerta máximo até o próximo dia 30, visando à proteção da chamada Amazônia Azul, como é conhecida a Zona Econômica Exclusiva (ZEE) do Brasil no mar. Eles estarão participando da Operação Atlântico 3, sob comando do almirante-de-esquadra Gilberto Max Hirschfeld e coordenação do Ministério da Defesa.

O objetivo é simular possíveis ataques estrangeiros a pontos estratégicos ao longo da costa, desde o Rio Grande do Sul até o Rio de Janeiro, incluindo a infraestrutura petrolífera, principalmente contra os campos do pré-sal, usinas hidrelétricas e nucleares, portos e refinarias. Este ano o comando do teatro de operações é da Marinha, que empregará sete navios, dois submarinos e seis helicópteros. O Exército participará com cerca de 200 viaturas de vários usos e a Aeronáutica disponibilizará 15 aeronaves, incluindo quatro aviões de ataque.

A Operação Atlântico 3 será acompanhada a partir da Escola Naval do Rio de Janeiro por um Estado-Maior, chefiado pelo contra-almirante José Renato de Oliveira. Dali serão dadas as ordens de ataque e defesa do exercício.

"A operação tem importância pela integração das três forças e para garantir a proteção da Amazônia Azul, onde estão as plataformas do pré-sal. Serão simulados ataques à Reduc [Refinaria Duque de Caxias, da Petrobras] e à estação de tratamento de Guandu [onde é captada a água da região metropolitana do Rio]", disse o contra-almirante.

O militar explicou que 95% das riquezas que o País importa ou exporta passam pelo mar, o que justifica garantir um domínio seguro das rotas na região. Um dos submarinos será usado como arma de apoio a essas linhas de comunicação, enquanto o outro simulará um ataque inimigo, tudo coordenado pelo Estado-Maior. "O submarino é uma arma que tem como principal característica a discrição, sendo essencial na guerra naval. O principal projeto da Marinha hoje é a construção do submarino nuclear, que deverá estar navegando por volta de 2025."

A Amazônia Azul tem 3,6 milhões de quilômetros quadrados e se estende por 200 milhas náuticas, cerca de 370 quilômetros, a partir da costa. Além dos campos petrolíferos do pré-sal, o fundo do oceano também abriga inúmeros materiais e metais preciosos, que poderão ser futuramente explorados pelo País.

Agência Brasil - 19/11/2012

Últimas notícias

As mais lidas