logo

Navegue por tags

academia anp concurso divulgação divulgação científica exploração geociências geofísica geologia IAG-USP INPE meio ambiente mercado mineraçao pesquisa Petrobras petróleo pré-sal produção SBGF SEG sísmica sísmica terrestre tecnologia treinamento

+ All tags

Enquete

Qual data você escolheria​ para ser proclamada​ como o Dia Nacional do Geofísico?
 

Para ampliar o monitoramento e ter dados mais precisos, o LabSis está ampliando a rede de sismologia na região do Mato Grande. Desde ontem, três técnicos do Departamento de Geofísica estão na região de João Câmara para instalação de dois acelerógrafos e uma estação sismológica digital de período curto. Além disso, hoje, 25, uma equipe do Corpo de Bombeiros vai ao município para reunião com a Defesa Civil.

Segundo o comando da instituição, o objetivo da visita, que terá a presença do coordenador do Laboratório de Sismologia, Joaquim Mendes Ferreira, é de caráter preventivo, para evitar pânico. "Não dá para ter previsão de como essa atividade vai evoluir, mas hoje, diferente do passado, nós sabemos quando e onde aconteceram os tremores, e estamos preparados para monitorar com precisão", afirmou o geofísico potiguar, tranquilizando a população.

Ele alertou que o que determina a evacuação de uma cidade não é a magnitude de um tremor. "A intensidade pode valer para chuva, para qualquer outro fenômeno natural, mas não para a sismologia. O que determina o pânico e a fuga da população é o número de tremores sentidos, a aceleração. Então, é preciso ter atenção exatamente nesse aspecto", esclareceu. Normalmente, as populações sentem tremores acima de 1.4 na escala Richter.

Os tremores na região de João Câmara, nos últimos dias, foram registrados pela estação de Lagoa do Serrote, da rede de Taipú, instalada para estudar os sismos do município, em 2010. Segundo Joaquim Ferreira, a estação, que fica a 9 quilômetros do epicentro do tremor de ontem, pegou a atividade sísmica desde o começo. "Desta vez, sabemos como começou a atividade sísmica, e estamos, desde sábado, analisando os dados, e instalando mais equipamentos, para determinar, com precisão, o epicentro e a profundidade dos sismos", afirmou.

Ferreira explicou que o acelerógrafo [equipamento que mede o movimento do solo] vai permitir saber qual o efeito dos sismos. "Estamos colocando um acelerógrafo na área epicentral e outro mais ao sul da atividade, para sabermos como é que a atividade se comporta, na superfície, próximo ao epicentro, e como decai com a distância", acentuou.

Ferreira adiantou que a rede local para estudo da atividade sísmica ficará com 15 estações. Os equipamentos foram adquiridos pela Rede Sismográfica do Nordeste do Brasil [RSISNE], financiada pela Petrobras/UFRN e pelo projeto Pool de Equipamentos Geofísicos do Brasil [Petrobras/ON], financiado pelo Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia de Estudos Tectônicos (INC-ET).

Com a rede será possível obter, com precisão, epicentros e profundidades focais. Hoje, a estação do LabSis de maior atividade é a Lagoa do Serrote, mas existem outras, entre as quais, a de Riachuelo, que fica a 36 km de onde ocorreram os sismos nos últimos dias.

Tribuna do Norte - 25/10/2011 - Margareth Grilo
 
Banner
Banner
Banner
Banner
banner Strataimage
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
banner Strataimage

Últimas notícias

  • UFOPA lança edital com vagas para doutores em geofísica
  • Cientistas descobrem água subterrânea no Saara
  • GPS pode tornar alertas de tsunami mais ágeis
  • Exploração de terras raras pode ter novo marco regulatório
  • Prioridade da Petrobrás é o pré-sal, afirma Graça Foster