compressao-roaming
Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Georadar Serviços e Participações S.A. vem a público prestar esclarecimentos sobre a situação do projeto de aquisição de dados sísmicos conduzido pela empresa no estado de Alagoas.

1. A Georadar atua como empresa de serviços na cadeia de exploração e produção de petróleo há mais de 17 anos, sendo líder no mercado nacional no segmento de aquisição de dados sísmicos terrestres. A empresa já executou projetos nas mais diversas regiões do Brasil, e para diversos clientes, em concessões terrestres nas bacias sedimentares Brasileiras. O histórico de sucessos da empresa junto aos seus clientes demonstra sua seriedade e competência de seu perfil técnico e gerencial.

2. Desde 2013, com a retração da economia nacional e em especial do segmento de petróleo e gás, houve uma queda vertiginosa na demanda pelos serviços prestados pela Georadar. Ao que pese o fato de ser a única empresa do segmento de capital 100% nacional ainda em operação, a Georadar não passou ilesa por essa crise, e com muito esforço de sua gestão e de seus colaboradores diretos e indiretos conseguiu manter-se competitiva mesmo com capacidade financeira limitada.

3. No 2º semestre de 2015, a demanda por projetos de aquisição sísmica começou a demonstrar sinais de aquecimento, através de algumas licitações de empresas operadoras de campos de petróleo. Nesse contexto, a Georadar, ao apresentar a melhor proposta em um certame licitatório de ampla competição, foi contratada pela empresa Petróleo Brasileiro S.A – Petrobras para um projeto no estado de Alagoas. 4. O valor do contrato assinado situa-se na casa de R$ 20 milhões, mas somente 30% do valor do contrato foi executado, ao longo de aproximadamente 120 dias de trabalho.

5. As dificuldades de mobilização e execução do projeto, advindas da escassez de recursos financeiros disponíveis para capital de giro de empresas como a Georadar, foram superadas no dia a dia. O projeto aproximava-se de sua fase mais importante em termos de faturamento potencial, fazendo com que a expectativa da empresa fosse regularizar suas dívidas com colaboradores e fornecedores ao final do mês de setembro – respectivamente 1 folha de pagamento em atraso e aproximadamente R$ 1 milhão com fornecedores.

6. Infelizmente, os resultados esperados em termos de faturamento não foram obtidos e sofremos algumas retenções bancárias obrigando-nos a tomar a difícil decisão de interromper o projeto para preservar a segurança e bem-estar de nossos colaboradores.

7. Nesse sentido, tomamos a decisão de solicitar que grande parte do pessoal contratado para o projeto retornasse às suas casas e paralisamos nossas atividades temporariamente na região no dia 24/setembro. A partir deste dia, começamos a fase de planejamento da desmobilização do projeto iniciou-se em nossa Sede em Nova Lima (MG). ,

8. Ciente de sua responsabilidade como prestadora de serviço, a Georadar esteve em contato permanente com a Petrobras e autoridades competentes garantindo a total transparência de todas as ações que estavam sendo tomadas, desde a interrupção das atividades do projeto.

9. Nos últimos dias, diversas ações importantes foram tomadas, a saber:

a. Desligamento de todos os funcionários que não serão utilizados na desmobilização do projeto. Tais funcionários terão seus direitos respeitados e serão indenizados na forma da lei; b. Pagamento dos salários atrasados dos funcionários que fazem parte da equipe de desmobilização do projeto; c. Pagamento das dívidas com a totalidade dos pequenos fornecedores locais; d. Negociação das dívidas de maior valor com fornecedores locais e de outras regiões, processo que já está em andamento; e. Definição do cronograma da desmobilização do projeto, que deverá levar 30 dias, a começar da data de 30/setembro, prazo acordado com a Petrobras, e que inclui prioritariamente (i) detonação de todas as cargas explosivas que estão em área livre, dentro das normas de segurança (ii) destinação segura do estoque existente de cargas explosivas que atualmente se encontra em depósito devidamente certificado pelo Exército e com segurança especializada 24 horas; (iii) recolhimento de todo os nossos equipamentos que se encontram na área do projeto e (iv) remediação ambiental de forma a retornar a área livre às condições semelhantes às existentes antes do início do projeto.

Assim sendo, a Georadar entende que todas as partes envolvidas no projeto terão seus pleitos atendidos nas próximas semanas. Lamentamos a impossibilidade de executar nosso compromisso com nosso cliente Petrobras pela 1ª vez depois de diversos projetos exitosos em todo o Brasil. E, como única empresa de capital 100% nacional presente no segmento de aquisição de dados sísmicos, como gestores da companhia e cidadãos de um país que vive talvez sua pior crise econômica em décadas, esperamos ser capazes de recuperar quaisquer danos causados à nossa reputação através de trabalho árduo e incessante.

Informamos que a partir de hoje, 29/setembro, representantes da empresa já se encontram em Alagoas, onde uma primeira reunião para esclarecimentos adicionais com todas as partes interessadas ocorrerá às 15 hrs na base operacional da empresa.

E conforme novos fatos relevantes ocorram, cumpriremos com nossa obrigação de dar ampla divulgação às nossas ações e decisões no que tiver implicação para as partes interessadas desse projeto.

Ricardo R Savini - Presidente
Ricardo H D Giamattey - Diretor Financeiro

Comente este artigo


Código de segurança
Atualizar