Paradigm
Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn


rio acoustic 2015 banner

Atualmente muito se fala sobre a importância dos oceanos como fonte de alimentos e recursos naturais e no equilíbrio climático do planeta. Ao mesmo tempo se coloca como principal fronteira exploratória e, em um futuro muito próximo como principal gerador de energia limpa em escala mundial. Entretanto, o oceano é um ambiente hostil e difícil de ser investigado por métodos convencionais.

Os métodos acústicos são as ferramentas mais eficientes para exploração de regiões oceânicas rasas e profundas, assim como as águas interiores. Por serem não-invasivas, seguras e econômicas uma grande variedade de técnicas vem sendo rotineiramente utilizadas em projetos de engenharia oceânica e gerenciamento ambiental.

O Brasil tem um dos litorais mais extensos do mundo e águas territoriais com uma área de 4,5 milhões de km², correspondendo a aproximadamente metade de seu território emerso e conhecida como Amazônia Azul. Além disso, o Brasil possui ainda em torno de 6500 km de hidrovias e dezenas de represas para geração de energia elétrica. Durante a ultima década, como resultado do crescimento da atividade pesqueira, da produção de hidrocarbonetos, da implementação do Programa para avaliação dos recursos minerais marinhos - REMPLAC (coordenado pela CPRM), do incremento do transporte por hidrovias e da necessidade de geração elétrica e fornecimento de água para consumo da população, estas áreas se tornaram foco de atenções especiais. As ferramentas acústicas possuem aplicação que podem atuar na investigação de todas as questões acima.

A próxima edição do simpósio Rio Acoustics acontecerá entre os dias 29 e 31 de julho com o objetivo de se firmar como o principal fórum de discussão dessas tecnologias na America Latina. O simpósio será nas instalações da CPRM na Urca, Rio de Janeiro, atendendo demandas técnicas efetivas para investigação da coluna d’água, do fundo marinho e dos sedimentos superficiais, alvo principal de estudos de engenharia e meio ambiente. Apoiado pela SBGf, o Simpósio está sendo organizado pelo Laboratório de Geologia Marinha da Universidade Federal Fluminense (LAGEMAR / UFF) e pelo Laboratório de Hidroacústica Ambiental da Universidade Livre de Bruxelas (EHL / ULB).

Tópicos que serão abordados no Rio Acoustics 2015

  • Propagação e espalhamento acústico: modelagem e medições.
  • Oceanografia acústica
  • Acústica na indústria de óleo e gás
  • Avaliação de comunidades bentônicas
  • Bioacústica aplicada à pesca
  • Caracterização geoacústica de sedimentos
  • Hidroacústica em rios, lagos e represas
  • Hidrografia GIS submarino - NOVO
  • Levantamentos geofísicos marinhos e geohazards – NOVO
  • Geofísica superficial
  • Instrumentação oceanográfica
  • Monitoramento acústico passivo e impacto de ruídos na fauna submarina – NOVO
  • ROV’s e AUV’s como plataformas para levantamentos acústicos - NOVO
  • Mapeamento, imageamento e classificação do fundo marinho
  • Inversão sismo-acústico - NOVO
  • Processamento de sinais e imagens
  • Tecnologia de arranjos e transdutores acústicos
  • Arqueologia costeira submarina com foco em sítios pré-históricos - NOVO
  • Redes de comunicação submarina – NOVO
  • Mineração submarina

A primeira edição da Rio Acoustics ocorreu em 2013 na cidade do Rio de Janeiro e contou com a presença de pesquisadores, profissionais e estudantes, além de empresas de serviço e equipamentos, de diversos países envolvidos com as mais diversas aplicações dos métodos acústicos. Particularmente apreciado foi o intercâmbio de ideias entre o oceano e as aplicações de água interiores. O simpósio representou a primeira oportunidade para os profissionais desta área conhecerem as diferentes aplicações das técnicas acústicas na gestão destes cursos de água.

Serviço

rio acoustic 2015 logo uff ulbEvento: Rio Acoustics 2015

Data: 29 a 31 de julho

Local: CPRM - Palácio dos Estados, Avenida Pasteur, 404, Urca, Rio de Janeiro, RJ, Brasil | CEP: 22290-255

Chairs: Arthur Ayres Neto (Universidade Federal Fluminense); Jean-Pierre Hermand (Université Libre de Bruxelles).

 Mais informações no site: rioacoustics.org

Comente este artigo



Atualizar

CPGEO