logo
  • Ies Brazil

 

Enquete

Gás de Folhelho

Vamos ter uma revolução do gás de folhelho no Brasil?

» Go to poll »
1 Votes left

jVS by www.joomess.de.

Mídias Sociais

FacebookTwitterLinkedin

Primeiro congresso lusófono de geologia acontece no Brasil

Primeiro congresso lusófono de geologia acontece no Brasil

Brasília - "Gerir os recursos naturais para gerar recursos sociais". Com este tema, a 46ª edição do Congresso Brasileiro de Geologia reúne especialistas de todo mundo e, principalmente, dos países de língua portuguesa, já que ao mesmo tempo acontece o 1º Congresso de Geologia do mundo lusófono. O encontro, em Santos, começará a 30 de setembro e terminará a 5 de outubro.

Para a Sociedade Brasileira de Geologia (SBG), o uso racional e eficiente dos recursos naturais é uma necessidade urgente e uma preocupação de toda a sociedade contemporânea. Com isso, a temática do evento pretende reconhecer a importância da geologia para a descoberta e uso sustentável dos recursos naturais.

"O Congresso também quer reforçar o elo entre o mundo profissional e acadêmico nas geociências", explica o professor doutor Fábio Braz Machado, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), presidente da comissão organizadora. "Aproveitando as comemorações do ano de Portugal no Brasil, tivemos a idéia de reunir pela primeira vez os pesquisadores dos países lusófonos". Até o momento, mais de 2 mil trabalhos foram recebidos.

"O potencial de colaboração é enorme dado o perfil dos países envolvidos, unidos por uma mesma língua; as comunidades científicas, particularmente a de Portugal e do Brasil têm já projeção internacional e os restantes países da CPLP apresentam um potencial de desenvolvimento acelerado, dada a procura recente, a nível mundial, dos seus recursos naturais", declara Rogério Bordalo da Rocha, presidente da Sociedade Geológica de Portugal (SGP) e da Association of European Geological Societies.

"Cabe ressaltar que o Brasil vive um momento sem igual, totalmente sem precedentes, com a valorização de todas as commodities minerais e das novas descobertas petrolíferas tanto nas bacias marginais como continentais que colocará o país entre os maiores detentores mundiais em reservas de óleo e gás. Tudo isso denota uma reflexão não só científica como também política: será que estamos preparados, em termos de mão de obra qualificada ou altamente qualificada para tudo isso, será que nossas universidades são suficientes?", questiona Machado.

Além da língua que une oito nações, a expectativa é ressaltar a importância estratégica dos recursos energéticos, minerais e da investigação sobre o fundo do Oceano Atlântico, ponte que liga a maioria dos países lusófonos. Espera-se que o Congresso também crie mais intercâmbios entre as comunidades científicas desses países. "Em setembro de 2010, assinamos um protocolo de colaboração entre as sociedades brasileira e portuguesa de Geologia que prevê uma série de atividades conjuntas, entre elas, reuniões periódicas de caráter científico", diz o presidente da comissão.

O Congresso está dividido em 11 grandes áreas que por sua vez se dividem em simpósios, fóruns, sessões técnico-científicas, reuniões e mesas redondas. A expectativa é receber um público de 4 mil pesquisadores e profissionais da área governamental e privada, lideranças políticas, empresários, além de geólogos, engenheiros, oceanógrafos, geógrafos, químicos, meteorologistas, agrônomos, arqueólogos, biólogos e outros de áreas afins.

"Nossa expectativa é a melhor possível. Além de divulgar a importância das geociências para a sociedade, algumas empresas irão revelar descobertas de novos depósitos minerais e estudos inusitados em bacias petrolíferas", explica Machado.

"Teremos aproximadamente 40 convidados internacionais renomados tanto nas áreas profissionais como acadêmicas, vamos apresentar as novas tecnologias implementadas no setor. Tenho certeza que será um grande evento para o Brasil e para a cidade de Santos", comemora o presidente da comissão.

Dentre alguns convidados estão Peterl Cawood, editor da conceituada revista Precambrian Research, Stephen Linter (Espanha), especialista em estudos de Impactos Ambientais, e o Pradeed Aggarwal da International Atomic Energy (Alemanha) considerado um dos maiores especialistas em Hidrologia.

Entre os destaques das mesas estão "A importância das Geociências nas Políticas Públicas", coordenada pelo Ricardo Vedovello, diretor-presidente do Instituto Geológico de São Paulo, e "O setor mineral no Brasil e seus impactos econômicos e sociais", coordenado por Onildo Marini, da Agência para o Desenvolvimento Tecnológico da Indústria Mineral Brasileira (ADIMB) e Jorge Bettencourt da Universidade de São Paulo.

O 46º Congresso conta com o patrocínio do Governo Federal através da Petrobras e também da mineradora Vale do Rio Doce, entre outras empresas.

Serviço

O quê: 46º Congresso Brasileiro de Geologia/ 1º de Geologia dos Países de Língua Portuguesa

Quando: de 30 de setembro a 5 de outubro de 2012

Onde: Santos (SP) – Brasil

Mais informações: www.46cbg.com.br

África 21 Digital - 18/07/2012

Últimas notícias

As mais lidas